Pigmentos Naturais

GP ORO 20 HZ (20 gr Xantofilas - mínimo 20% Zeaxantina)

 

GP ORO 20 (20 gr Xantofilas - mínimo 5% Zeaxantina)


A Marigold

A progénie da flor Marigold remonta ao séc. XVI, na América Central, mais especificamente no México. A descoberta desta planta de tons alaranjados e vermelhos é atribuída aos Portugueses, povo que depois a ostentou à Europa e ao continente Asiático onde é, actualmente, bastante apreciada.
Embora esteja presente em várias partes do globo, desde que se reúnam as condições específicas para que a mesma se desenvolva, a maior zona de cultivo da Marigold encontra-se na China, seguida pela Índia e Perú.
A flor Marigold pode ser usada para fins terapêuticos, chás, óleos para perfumaria, tinturaria, aditivo alimentar e, em zonas mais tradicionais, é usada para fins simbólicos e cerimónias, sendo que a sua cor dourada foi considerada símbolo de pessoas honradas.
Caracteristicamente a flor reproduz-se exclusivamente por fruto-semente, sendo uma planta rústica, não possui exigências de maior, apenas solo, água e muito sol. É uma planta invasora, principalmente em áreas de cultivo anuais e perenes. Para conservação, as folhas e partes floridas.
devem ser secas à sombra em locais ventilados, seguidamente guardadas em sacos de papel ou pano.

Características biológicas

As Xantófilas (originalmente filoxantinas) são pigmentos amarelos que formam uma das duas principais divisões do grupo carotenóide. O nome vem do idioma grego xanthos (ξανθός, "amarelo") e phyllon (φύλλον, "folha"), devido à formação de sua banda amarela visto no início de cromatografia dos pigmentos das folhas.
A sua estrutura molecular é semelhante a carotenos, que formam outra grande divisão do grupo dos carotenóides, mas as xantófilas contêm átomos de oxigénio, enquanto carotenos são puramente hidrocarbonetos sem oxigénio. As xantófilas contêm oxigénio, seja como grupo hidroxilo e/ou como pares de átomos de hidrogénio que são substituídos por átomos de oxigénio actuando como uma ponte (epóxido). Por essa razão, são mais polares do que os carotenos puramente de hidrocarboneto e é essa a diferença que permite separá-las dos carotenos em muitos tipos de cromatografia. Normalmente, os carotenos são na maioria das vezes de cor laranja.

A Luteína, de tonalidade amarelo-limão é um carotenóide presente em alguns vegetais, como espinafre, couve-flor, ervilha, brócolos, e em alguns frutos, como laranja, mamão, pêssego e kiwi, além da gema de ovo.
É um dos responsáveis pela pigmentação desses mesmos vegetais, sendo utilizado em medicina como antioxidante, notadamente no tratamento da DMI (Degenerescência Macular da Idade), e pode melhorar ou prevenir a degeneração ocular. É o principal antioxidante presente nas membranas oculares (retina e mácula).

A Zeaxantina é uma substância responsável pela cor de peixes, aves, flores e alimentos.
É encontrada predominantemente nos vegetais amarelos, alaranjados, vermelhos e verdes; tais como nectarina, laranja, mamão, pêssego, brócolos, couve-de-bruxelas, repolho, couve-flor, ervilha, milho, rúcula, ovo, entre outros. A zeaxantina é resultante do metabolismo secundário de muitos vegetais que pode ser agrupada no grupo dos carotenóides, que incluem também oscarotenos. De fato, a zeaxantina é resultante da oxidação de carotenos.